INTERVENÇÃO CÍVICA EM DEFESA DO PATRIMÓNIO

Em 2012 a ASPA comemorou 35 anos de intervenção em Braga. Criou, nessa data, este blogue.
Em 2017 comemora 40 anos de intervenção.
Numa cidade em que as intervenções livres dos cidadãos foram, durante anos, ignoradas, hostilizadas ou mesmo reprimidas, a ASPA, contra ventos e marés, sempre demonstrou, no terreno, que é verdadeiramente uma instituição de utilidade pública.
Numa época em que poucos perseguem utopias, não queremos descrer da presente e desistir do futuro, porque acreditamos que a cidade ideal, "sem muros nem ameias", ainda é possível.
DEZEMBRO DE 2013
O novo executivo municipal suspende o PDM na área da ZEP das Sete Fontes.
Foi dado o 1º passo e há, finalmente, a esperança para o Monumento Nacional.

JUNHO DE 2015
O PDM aprovado na Assembleia Municipal de Braga prevê área de construção em ZEP do Monumento Nacional.
Novamente um futuro incerto para o Complexo das Sete Fontes?!

MARÇO de 2016
Publicada a Declaração nº16/2016, de 3 de março, que revoga o despacho que aprovou a constituição de faixa de reserva "non aedificandi" para o lanço da EN 103-Variante de Gualtar, entre o Nó do Hospital e o Nó Norte (Nó do Fojo).
É o fim da variante que atravessaria o Complexo das Sete Fontes e tanto preocupava os defensores do Monumento Nacional.

terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

ENTRE ASPAS - "Transportes em Braga: medidas avulso ou uma política integrada?

Tocando vários aspetos da política de transportes urbanos, bem como os seus impactos no ambiente urbano e saúde da população, esta reflexão ajuda a perceber por que motivo a ASPA tem alertado para a urgência de uma estratégia sustentável ao nível da mobilidade e acessibilidade no Concelho de Braga.

De que modo está o alargamento da área de"Parcómetros",  e a concessão a privados, relacionado com a política de transportes na autarquia? Não será única e simplesmente uma decisão avulso?

Por que motivo opções deste tipo, que atribuem direitos no espaço público  a privados,  não são colocadas a debate público?

Os países desenvolvidos, e ambientalistas, são uma referência que não pode nem deve ser ignorada.
Diário do Minho - 25 de fevereiro 2013 

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

"A REGENERAR BRAGA"... de novo na ordem do dia

Lamentamos que a Câmara Municipal de Braga não tenha promovido debate e esclarecimento público, sobre  a intervenção em cada praça e rua da cidade, quando decidiu avançar com o projeto "A Regenerar Braga". 
Virar as costas à população não surtiu o melhor efeito e, pelos vistos, o candidato a presidente da autarquia pelo PS percebeu que os bracarenses exigem o acesso à participação nos processos públicos.  O Fórum que agora promove pretenderá compensar o debate que não existiu?
Impõe-se uma mudança de atitude face a questões que a todos dizem respeito e que é já demasiado tardia nesta cidade.
A opinião pública bracarense será favorável às obras levadas a cabo nas praças  e ruas de Braga? 
O que pensam as pessoas que têm limitações ao nível da mobilidade? 

O que se perdeu? O que se ganhou? O que piorou?
Diário do Minho - 20.02.2013
De vez em quando surgem opiniões que convém registar sobre  as essas mesmas obras...
Diário do Minho - 20.02.2013

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

ENTRE ASPAS - "Braga e o seu contexto fluvial: Rio Este"

Será que Braga percebeu a importância do Rio Este (no passado longínquo e mais recente) e soube valorizá-lo como recurso turístico, didático  e de lazer?
Será que a intervenção no Rio Este, no âmbito do Projeto "A Regenerar Braga", teve em consideração as mais valias aqui apresentadas e prevê valorizá-las ?
Seria interessante a sinalização dos locais mais expressivos:
  • saídas para Olisipo (Lisboa) e Emerita (Mérida);
  • recuperar de forma coerente a zona dos Galos.
(Para ler o texto abrir hiperligação em novo separador)


terça-feira, 12 de fevereiro de 2013

ESPAÇO PÚBLICO - concessão de exploração a privados e movimentos de cidadãos

 O caso "Parcómetros" permitiu medir a força das redes sociais como meio de divulgação, mas também de debate, sobre problemáticas que a todos interessam. Envolveram a população, mas também políticos, que rapidamente perceberam que há cada vez mais gente disposta a defender o bem comum.

Tivemos o cuidado de pesquisar documentos disponíveis na net, e juntar textos publicados na imprensa local, essenciais para que os bracarenses compreendam a sequência de decisões e impacto que causaram na opinião pública. Entretanto  constatam-se a
vanços e recuos, pontos de vista e, por último, a retificação de documentos, factos que têm surpreendido muitos bracarenses.
Várias questões têm sido colocadas e algumas não foram ainda esclarecidas:

  • Por que razão se entrega a exploração de espaço público  a privados? 
  • O contrato estabelecido com a Britalar, para os próximos 15 anos, prevê o direito a indemnização caso uma estratégia de desenvolvimento turístico ou de mobilidade e acessibilidade sustentável implique um outro uso para as ruas?
  • Se os parques de estacionamento subterrâneos não estão ocupados a 100%, por que motivo vai ser alargada a área de parcómetros à superfície?
  • Qual o parque de estacionamento com ligação por transporte público ao centro, e a custo acessível, de modo  a permitir o acesso aos serviços (centro de saúde, escolas, loja do cidadão, correio, serviço de finanças, conservatória, etc) e comércio local, por parte de quem tem poucos recursos económicos?
Correio do Minho - 8 fev. 2013
Diário do Minho - 9 fev. 2013
Correio do Minho - 11 fev 2013
Diário do Minho - 13 fev. 2013


Correio do Minho - 15 fev. 2013

Diário do Minho -16 fev. 2013
Correio do Minho - 16 fev. 2013 



quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

CONVERSAS SOBRE IMAGENS DE BRAGA - dia 7 de Fevereiro

"Conversas sobre Imagens de Braga"... amanhã, dia 7 de Fevereiro, às 18:00H. A pontualidade é essencial nesta sessão de final de tarde, pois não se prevê que ultrapasse as 19:00H.