INTERVENÇÃO CÍVICA EM DEFESA DO PATRIMÓNIO

Em 2012 a ASPA comemorou 35 anos de intervenção em Braga. Criou, nessa data, este blogue.
Em 2017 comemora 40 anos de intervenção.
Numa cidade em que as intervenções livres dos cidadãos foram, durante anos, ignoradas, hostilizadas ou mesmo reprimidas, a ASPA, contra ventos e marés, sempre demonstrou, no terreno, que é verdadeiramente uma instituição de utilidade pública.
Numa época em que poucos perseguem utopias, não queremos descrer da presente e desistir do futuro, porque acreditamos que a cidade ideal, "sem muros nem ameias", ainda é possível.
DEZEMBRO DE 2013
O novo executivo municipal suspende o PDM na área da ZEP das Sete Fontes.
Foi dado o 1º passo e há, finalmente, a esperança para o Monumento Nacional.

JUNHO DE 2015
O PDM aprovado na Assembleia Municipal de Braga prevê área de construção em ZEP do Monumento Nacional.
Novamente um futuro incerto para o Complexo das Sete Fontes?!

MARÇO de 2016
Publicada a Declaração nº16/2016, de 3 de março, que revoga o despacho que aprovou a constituição de faixa de reserva "non aedificandi" para o lanço da EN 103-Variante de Gualtar, entre o Nó do Hospital e o Nó Norte (Nó do Fojo).
É o fim da variante que atravessaria o Complexo das Sete Fontes e tanto preocupava os defensores do Monumento Nacional.

segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

ENTRE ASPAS - "Apontamentos para a Memória Fotográfica da Cidade (2)

Os arquivos fotográficos Manuel Carneiro e Arcelino foram recebidos pela ASPA por doação de famílias barcarenses. Retratam Braga e outros locais do Minho entre finais do séc. XIX e meados do séc. XX.
O protocolo celebrado entre a ASPA e o Museu Nogueira da Silva, para além de permitir o tratamento e conservação dos negativos, constituiu o ponto de partida para a constituição do Centro de Documentação Fotográfico (1979), hoje FOTOTECA,   existente neste Museu. Um dos primeiros espaços dedicados à preservação da fotografia.
Com a alteração sucessiva da cidade em reestruturações, requalificações e destruições que têm apagado a memória urbana, é visível a necessidade e o empenho dos cidadãos em salvaguardar essa memória.
Em Conversas sobre as imagens de Braga, iniciativa organizada por António José Mendes e Eduardo Pires de Oliveira, da ASPA, que tem contado com grande adesão por parte dos bracarenses, os participantes têm a oportunidade de trocar informação e reflectir com base em imagens guardadas (fotografias antigas, bilhetes de espetáculos e transportes, mapas antigos, etc.) testemunhos de vivências passadas que alguns conservam ainda na memória. 
* Conversas sobre imagens de Braga realiza-se na 1ª quinta-feira de cada mês, às 18:00H, no Museu Nogueira da Silva. 
Texto anterior: "Apontamentos para a Memória da Cidade (1)"


domingo, 19 de janeiro de 2014

Revisão do PDM de Braga - 1ª fase de abertura aos cidadãos

Nesta 1ª sessão pública de discussão do Plano Diretor Municipal (PDM) de Braga, louvámos a suspensão do PDM na área da ZEP das Sete Fontes, a elaboração do Plano de Pormenor e Salvaguarda e o anúncio do fim da variante à EN 103 atravessando o Monumento Nacional.
A equipa técnica tem em mãos um novo paradigma de cidade, exigindo estudos que permitam conhecer o território em variadíssimas áreas. Depois será necessário definir estratégias que garantam um Plano capaz de dar resposta às necessidades do presente, mas que assegure também um futuro sustentável às gerações vindouras.

Há contudo aspetos práticos que teria sido útil apresentar, relativos ao território concelhio, relativamente aos quais não foi adiantada informação!
Perante uma questão simples, que julgamos pertinente para definir estratégias ao nível da estrutura ecológica municipal - "Qual a área verde por habitante (primária e secundária)?"- não obtivemos resposta por parte da equipa técnica! 
Braga está perto ou longe dos 40 m2 de área verde/habitante recomendados pela DGOTDU?
Para a definição de estratégias nessa vertente do PDM, de especial importância caso surjam fenómenos meteorológicos que nos tragam surpresas (seca extrema ou inundações), parece importante um levantamento exaustivo das zonas florestais, do espaço agrícola, da área verde arborizada, das zonas ribeirinhas (linhas de água) e das áreas de importância geológica e hidrogeológica. Dispondo desses dados, será fácil o cálculo da área verde primária e secundária por habitante. Não será difícil definir estratégias para o concelho.
Conhecer a biodiversidade ao nível da fauna e flora, em meio urbano, agrícola, florestal e ribeirinho, parece-nos também essencial no âmbito da revisão do PDM... se queremos afirmar Braga como concelho sustentável.
Quanto à mobilidade e acessibilidade, bem como à rede viária, percebeu-se que há trabalho realizado. Mas não foi elencada uma hierarquização da rede viária, nem qualquer articulação com uma rede de transportes públicos e ciclovia, o que nos parece de especial importância no âmbito da  elaboração do PDM. Não  foram referidas condicionantes em termos de património, ambiente e paisagem! 
Neste novo paradigma de cidade, em que supostamente o transporte público e a bicicleta se irão impondo ao automóvel particular, é também essencial regenerar espaço público, para percurso pedonal, que facilite a ligação com a rede de transportes (com área verde que proporcione frescura, garanta a segurança e o bem estar).
Quanto à política de saldo zero no que diz respeito a área de urbanização (imposta a nível nacional), importa conhecer os critérios e garantir  a transparência do processo. 
Esta 1ª sessão foi importante, pois abriu portas ao debate público.
Não deixou dúvidas de que há vontade política para lançar um PDM que assumirá o património, o ambiente e a paisagem como essenciais para prestigiar Braga a nível nacional e internacional.
Mas a apresentação técnica ficou um pouco aquém no que respeita a qualquer princípio estratégico! 

 (para ler os textos abrir hiperligação em novo separador)
Diário do Minho - 19 Jan 2014
Diário do Minho - 19 Jan. 2014

Correio do Minho - 19 Jan 2014

Decreto Regulamentar nº 11/2009, 29 de Maio
Partindo do princípio que só poderá participar se estiver devidamente informado(a), deixamos o nosso contributo:



segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

ENTRE ASPAS - "Apontamentos para a Memória Fotográfica da Cidade (1)"

A ASPA recebeu há cerca de 30 anos por doação voluntária, generosa e, ao tempo, pioneira os arquivos fotográficos de Manuel Carneiro e Arcelino, espólios fotográficos  patrimonialmente muito valiosos, que retratam a cidade de Braga, mas também Guimarães, Barcelos, Viana do Castelo e outras zonas do Minho, desde início a meados do séc. XX. 
Esses espólios, que incluem grande número de negativos em vidro, encontram-se à guarda do Museu Nogueira da Silva por protocolo de cedência entre a ASPA e a Universidade do  Minho, onde se mantêm conservados graças à Fototeca ali existente. 
(Para ler o texto abrir hiperligação em novo separador)

Diário do Minho - 13 janeiro 2014

domingo, 12 de janeiro de 2014

SUSPENSÃO DO PDM NAS SETE FONTES APROVADA POR UNANIMIDADE NA ASSEMBLEIA MUNICIPAL

Finalmente as opções políticas imprescindíveis à salvaguarda e valorização das Sete Fontes, já há muito reivindicadas pela ASPA e pelos Peticionários:
  • suspensão do PDM nas Sete Fontes;
  • elaboração do Plano de Pormenor e Salvaguarda (conforme definido na Lei do Património).
Falta agora suspender a variante à EN 103 que, no Plano do anterior executivo municipal, atravessava o monumento nacional. 
Faltam também as medidas preventivas no terreno, na envolvente das minas e aquedutos, que não podem ser esquecidas. O Complexo das Sete Fontes encontra-se em risco há anos e nada foi feito para resolver a situação!
Os 60 000 € previstos no Plano e Orçamento, para 2014, destinam-se a estas obras?
Quem vai realizar a drenagem da água que escorre da via de acesso ao hospital e do perímetro hospitalar para as Sete Fontes e que já colocou em risco as minas e galerias? A CMB ou a Estradas de Portugal?



(abrir hiperligação em novo separador)
Diário do Minho - 12 Janeiro 2014