INTERVENÇÃO CÍVICA EM DEFESA DO PATRIMÓNIO

Em 2012 a ASPA comemorou 35 anos de intervenção em Braga. Criou, nessa data, este blogue.
Em 2017 comemora 40 anos de intervenção.
Numa cidade em que as intervenções livres dos cidadãos foram, durante anos, ignoradas, hostilizadas ou mesmo reprimidas, a ASPA, contra ventos e marés, sempre demonstrou, no terreno, que é verdadeiramente uma instituição de utilidade pública.
Numa época em que poucos perseguem utopias, não queremos descrer da presente e desistir do futuro, porque acreditamos que a cidade ideal, "sem muros nem ameias", ainda é possível.
DEZEMBRO DE 2013
O novo executivo municipal suspende o PDM na área da ZEP das Sete Fontes.
Foi dado o 1º passo e há, finalmente, a esperança para o Monumento Nacional.

JUNHO DE 2015
O PDM aprovado na Assembleia Municipal de Braga prevê área de construção em ZEP do Monumento Nacional.
Novamente um futuro incerto para o Complexo das Sete Fontes?!

MARÇO de 2016
Publicada a Declaração nº16/2016, de 3 de março, que revoga o despacho que aprovou a constituição de faixa de reserva "non aedificandi" para o lanço da EN 103-Variante de Gualtar, entre o Nó do Hospital e o Nó Norte (Nó do Fojo).
É o fim da variante que atravessaria o Complexo das Sete Fontes e tanto preocupava os defensores do Monumento Nacional.

segunda-feira, 23 de março de 2015

ENTRE ASPAS - "O solo e a paisagem do Minho"


LOGO IYS pt Print rdA Assembleia Geral das Nações Unidas estabeleceu o Dia 5 de Dezembro como Dia Mundial do Solo e o ano de 2015 como Ano Internacional dos Solos.



Sendo o solo essencial à fauna selvagem e o suporte de espécies arbóreas, arbustivas e herbáceas que caracterizam a paisagem do Minho, urge assumir a sua proteção como estratégica para o desenvolvimento sustentável da região. Assegurar políticas locais de proteção do solo e da paisagem é um desafio que se coloca aos municípios no âmbito da gestão do território, através dos planos diretores municipais. Podem ir mais além e, através da adesão a projetos comparticipados, incentivar a população rural à adoção de práticas agrícolas sustentáveis que contribuam, ainda, para a prevenção dos fogos florestais.
Desafio que deverá ter como parceiras as instituições de ensino superior que produzem conhecimento nestas áreas. Por isso mesmo pedimos a colaboração do professor Miguel Brito, especialista em solos, que lança a reflexão e alguns alertas através deste texto publicado na coluna Entre Aspas, do Diário do Minho.
Diário do Minho - 23 de março





quinta-feira, 19 de março de 2015

"DESCENTRALIZAR: DE QUE ESTAMOS A FALAR?"

De que modo deve posicionar-se a Administração Pública, de modo a assegurar a satisfação regular e continua das necessidades coletivas de segurança, cultura, bem estar e progresso?

Palestrante: Doutor António Cândido Macedo de Oliveira
19 março - 21.30h - Edifício GNRATION (Braga)