INTERVENÇÃO CÍVICA EM DEFESA DO PATRIMÓNIO

Em 2012 a ASPA comemorou 35 anos de intervenção em Braga. Criou, nessa data, este blogue.
Em 2017 comemora 40 anos de intervenção.
Numa cidade em que as intervenções livres dos cidadãos foram, durante anos, ignoradas, hostilizadas ou mesmo reprimidas, a ASPA, contra ventos e marés, sempre demonstrou, no terreno, que é verdadeiramente uma instituição de utilidade pública.
Numa época em que poucos perseguem utopias, não queremos descrer da presente e desistir do futuro, porque acreditamos que a cidade ideal, "sem muros nem ameias", ainda é possível.
DEZEMBRO DE 2013
O novo executivo municipal suspende o PDM na área da ZEP das Sete Fontes.
Foi dado o 1º passo e há, finalmente, a esperança para o Monumento Nacional.

JUNHO DE 2015
O PDM aprovado na Assembleia Municipal de Braga prevê área de construção em ZEP do Monumento Nacional.
Novamente um futuro incerto para o Complexo das Sete Fontes?!

MARÇO de 2016
Publicada a Declaração nº16/2016, de 3 de março, que revoga o despacho que aprovou a constituição de faixa de reserva "non aedificandi" para o lanço da EN 103-Variante de Gualtar, entre o Nó do Hospital e o Nó Norte (Nó do Fojo).
É o fim da variante que atravessaria o Complexo das Sete Fontes e tanto preocupava os defensores do Monumento Nacional.

segunda-feira, 29 de junho de 2015

ENTRE ASPAS - "Bracara Augusta: Património, Divulgação e Turismo"

O colóquio “Cidades, Património e Desenvolvimento” foi um momento forte de reflexão sobre o tema. Pouco divulgado, pouco participado, pouco impacto teve na cidade!
Aqui deixamos o contributo dos especialistas convidados...
Diário do Minho - 29 de junho

sexta-feira, 19 de junho de 2015

FESTAS DE S. JOÃO

Para além do rigor da informação prestada e da bibliografia que disponibiliza sobre as Festas do S. João, o Professor Doutor Aurélio de Oliveira deixa também um desafio à AFSJB.

Ampliar

Ampliar
  
Ampliar
Ampliar

Ampliar






segunda-feira, 15 de junho de 2015

ENTRE ASPAS - "ESPAÇOS VERDES: o que mudou nos últimos 113 anos"

A gestão dos espaços verdes requer a existência de uma planificação com rigor técnico e que não pode ser encarada no horizonte imediato do mandato, mas sim a médio e longo prazo. 
Ampliar
Diário do Minho - 15 de junho de 2015
Há anos que a ASPA tem partilhado, através da coluna Entre Aspas,  a preocupação relativa a espaços verdes. Destacamos intervenções mais recentes:
A delegação de competências nas Juntas de Freguesia, no que diz respeito a gestão e manutenção de espaços verdes (artº 132º  da Lei nº 75/2013, de 12 de setembro), poderá agudizar, ainda mais, a atual situação. Para evitar riscos consideramos urgente:

segunda-feira, 1 de junho de 2015

ENTRE ASPAS - "Revivendo a tradição dos MAIOS"

No Norte colhem-se, ainda, ramos de Maias (giestas floridas) pelos campos e montes e penduram-se em portas, janelas e nos meios de transporte, para dar as boas vindas ao luminoso Sol, atrair a fartura, sorte, alegria e proteger das energias negativas.
Fazem-se coroas de flores e venera-se a natureza e o renascer da vida.